Sexta-feira, 24 de Setembro de 2010

Tenho escrito pouco mas não queria deixar de assinalar aqui a chegada do Outono. O céu de Lisboa tem estado azul com pinceladas fortes de branco e já se nota claramente que o Verão terminou.

 

Eu gosto particularmente do Outono. Sem a agressividade nem do Verão nem do Inverno, o Outono é a par da Primavera a estação do compromisso.

 

Como nasci em Angola, até aos 15 anos não tive Outono e talvez por isso goste mais do que a maior parte das pessoas.

Lembro-me que os meus livros da primária falavam do Outono e que isso era uma estação que só existia na "Metropole" , assim como os porcos cor de rosa. E lembro-me do primeiro Outono que passei em Lisboa.

Cheguei de Luanda em pleno Verão e por isso não senti grande diferença mas de repente, um dia em que subia a Almirante Reis em direcção aos Anjos, veio-me aquela aragem ligeiramente fria própria do Outono. E sem ter vivido nenhum Outono percebi que ele tinha chegado. E as páginas dos livros da primária com as folhas das arvores avermelhadas vieram-me de novo à lembrança. Decorei que era a altura do ano em que se trabalhava muito no campo, em que se plantava trigo, centeio, favas, nabos... Pelo meu lado nunca plantei nada no Outono mas desde então para cá passei, felizmente, muitos Outonos inesqueciveis.

De magoito vêm quase todas as lembranças desses Outonos em que o mundo era todo nosso, as aulas começavam tardiamente e as mãos ficavam frias de andar de motorizada. Mas , assim de repente, quase sem se dar por isso, tal como o Outono, tudo isto desaparece para sempre.

 

Mais tarde o Outono era a estação da Feira do Livro de Frankfurt. Dez anos seguidos, o mesmo ritual. E no caminho do aeroporto para o hotel a autoestrada era ladeada de arvores com folhas vermelhas e amarelas. E há pessoas que ligo por isso ao Outono, companheiros inesqueciveis da Feira de Frankfurt como o Eduardo Moura e o António Precatado. O verdadeiro Outono que viamos nos livros estava ali a caminho da maior feira do livro do mundo. Voltava a fazer sentido.

 

E agora mais um Outono que chega. Alcochete no Sabado e Magoito no Domingo para comemorar mais este regresso.

 

Mas o que mais queria deixar escrito sobre o que significa para mim o Outono é a estação de maior valor. Entalada entre duas estações de grande personalidade nem por isso deixa de ser quem é e de afirmar a sua individualidade. Nunca se deixou subjugar nem nunca quis ser quem não é. Com mais ou menos chuva, com mais ou menos frio o Outono é sempre o Outono. Viva o Outono

 

Livro da 2ª Classe de 1968



publicado por baldino às 11:22 | link do post | comentar

2 comentários:
De João Pratas a 29 de Janeiro de 2011 às 20:39
Amigo José Carlos, também me lembro desses tempos em Magoito quando tu chegaste vindo de Luanda e passaste a ser mais um dos "primos" para nós ... grandes noites de Outono na volta do Correia Guedes. Um grande abraço.


De baldino a 31 de Janeiro de 2011 às 09:48
Amigo João que saudade me deu agora. Se bem me lembro o João Marinheiro :) Que aperto no coração :) Lembro-me particularmente de uma chinchada no terreno do Pinhol onde me deram o "baptismo" de fogo. Uma prache para os amigos novos. Chorei sentido pq invocaram essa minha origem angolana. E depois o que nos divertiamos não tinha paralelo em coisa nenhuma. Até o "preto do C..." fazia sentido. Poderia estar aqui a falar eternamente e lembrar-me até do livro "Sidharta" que me emprestaste e acho que nunca devolvi ou da aparelhagem de colunas monstruosas q te comprei :) Da "Blondie" e da lerpa. Grande abraço João e vamos lá almoçar para lembrar isso.


Comentar post

mais sobre mim
posts recentes

Tecnologia a mais mete me...

Qual a diferença?

Nobreza Portuguesa

O discipulo

Permanecer

Agora é facil

Recordaçoes de Luanda III

Estado de espirito

Rezar com Maria em tempo ...

Fausto, Goethe

arquivos

Agosto 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

tags

2011 balanço

alberto caeiro

alcochete

bebe quiosque revistas social

carlos drummond andrade palavra mágica p

chile orcamento doclisboa howard jacobso

circo chen feira popular lisboa dezembro

fernando pessoa poema felicidade exige v

frankfurt

livro

luanda

magoito

outono

pessoa rossio alma

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds